Sumário

Entre em contato com um especialista

    Como processar realiza administradora de consórcios

    Como processar REALIZA ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS

    Como eu faço para processar uma empresa de consórcio?

    Dados pessoais tratados por este Serviço

    Dados pessoais sensíveis tratados por este Serviço de acordo com a Lei 13709/2018, art. 5º, II

    Este serviço não trata dados pessoais de crianças ou adolescentes.

    Prazo de retenção para dados pessoais

    • Os dados pessoais tratados para prestação de serviços aos usuários ficam armazenados no BC até:
    • a finalidade ser alcançada ou os dados não serem mais necessários;
    • o período de tratamento acabar;
    • o titular ser comunicado, inclusive se revogar o seu consentimento (§ 5º do art. 8º da LGPD), resguardado o interesse público;
    • ou determinação da autoridade nacional, quando houver violação ao disposto na LGPD.

    Esses dados podem ser conservados para:

    • cumprimento de obrigação legal ou regulatória;
    • realização de estudo por órgão de pesquisa, garantida, sempre que possível, a anonimização dos dados pessoais;
    • transferência a terceiros, desde que respeitados os limites da LGPD;
    • ou uso exclusivo do BC, proibido seu acesso por terceiro, e desde que anonimizados os dados.

    Hipótese de tratamento de dados pessoais adotada (Lei 13709/2018)

    Finalidade do tratamento

    A finalidade específica de tratamento varia de acordo com cada serviço. O tratamento de dados pessoais realizado pelo BC para prestação de serviços aos usuários está adequado às finalidades a seguir:

    Previsão legal do tratamento

    Dados pessoais compartilhados com outras instituições

    O compartilhamento com outros órgãos públicos de dados pessoais tratados pelo BC para prestação de serviços aos usuários está em conformidade com o Decreto nº 10.046, de 9 de outubro de 2019.

    O BC também pode compartilhar esses dados com instituições autorizadas, tais como bancos, administradoras de consórcio, cooperativas e instituições de pagamentos, conforme finalidades de tratamento acima especificadas e em observância às disposições normativas.

    País(es) e instituição(ões) que recebem transferência(s) internacional de dados pessoais e/ou dados pessoais sensíveis

    Não são transferidos, para outros países ou instituições internacionais, dados pessoais tratados pelo BC para prestação de serviços aos usuários. Não há tratamento de dados pessoais sensíveis para prestação desses serviços.

    Link da política de privacidade/termo de uso do serviço: http://www.bcb.gov.br/acessoinformacao/politicaprivacidade

    Como entrar na Justiça contra consórcio?

    Entrar com um processo contra um consórcio pode ser uma medida necessária quando ocorrem problemas na contratação ou na execução do contrato. Neste blog, vamos abordar os passos necessários para entrar com um processo contra um consórcio, bem como os elementos que devem ser considerados durante esse processo.

    Antes de entrar com um processo contra um consórcio, é importante reunir todos os documentos e provas relacionados ao contrato e aos problemas enfrentados. Isso inclui cópias do contrato, comprovantes de pagamento, correspondências trocadas com o consórcio, entre outros.

    Para garantir que o processo seja conduzido de forma adequada, é recomendável buscar a orientação de um advogado especializado em direito do consumidor ou em questões relacionadas a consórcios. O advogado poderá analisar os documentos e provas reunidos, orientar sobre os direitos do consumidor e as melhores estratégias para o processo.

    Antes de entrar com um processo, é importante tentar resolver o problema extrajudicialmente. Isso pode ser feito por meio de uma reclamação formal junto ao consórcio, buscando uma negociação ou mediação para solucionar o impasse. Caso não seja possível resolver o problema dessa forma, o próximo passo é entrar com o processo judicial.

    Para entrar com o processo judicial contra o consórcio, é necessário elaborar uma petição inicial, que deve ser redigida pelo advogado. Nessa petição, devem ser apresentados os fatos, os fundamentos jurídicos e os pedidos do consumidor. Além disso, é importante indicar as provas que serão apresentadas durante o processo.

    Após entrar com o processo, é importante acompanhar todas as etapas do mesmo. Isso inclui comparecer às audiências designadas, fornecer as informações solicitadas pelo juiz e pelo consórcio, e cumprir com todas as determinações judiciais. O advogado será responsável por orientar o consumidor em todas essas etapas.

    Após todas as etapas do processo, o juiz irá proferir uma decisão. Essa decisão pode ser favorável ou desfavorável ao consumidor. Caso seja favorável, o consórcio será obrigado a cumprir com as determinações judiciais. Caso seja desfavorável, é possível recorrer da decisão.

    Em resumo, entrar com um processo contra um consórcio requer a reunião de documentos e provas, a orientação de um advogado especializado, a tentativa de resolver o problema extrajudicialmente, a elaboração da petição inicial, o acompanhamento do processo e a aguarda da decisão judicial. Seguindo esses passos, o consumidor terá maiores chances de obter uma solução para os problemas enfrentados com o consórcio.

    Quem fiscaliza as administradoras de consórcio?

    Regulação e fiscalização O Banco Central (BC) é responsável pela normatização, autorização, supervisão e controle das atividades do sistema de consórcios, com foco na eficiência e solidez das administradoras e cumprimento da regulamentação específica.

    Como saber se uma administradora de consórcio e autorizada pelo Banco Central?

    A administradora de consórcios é a empresa que organiza e administra os grupos de consórcios;

    O Banco Central do Brasil, de acordo com a Lei nº 11.795/2008, é a autoridade competente para normatizar e fiscalizar o Sistema de Consórcios no Brasil;

    Consulte o site do Banco Central para conferir a relação de empresas autorizadas, em www.bcb.gov.br, ou clique aqui e encontre uma administradora associada à ABAC.

    Leia atentamente as cláusulas do contrato para conhecer seus direitos e obrigações;

    Verifique se o valor do crédito e o prazo de duração do grupo constam no contrato;

    Confira os percentuais de contribuições (taxa de administração e, se houver, fundo de reserva e/ou seguro) e as demais despesas que serão cobradas;

    Certifique-se quanto ao critério de correção do crédito que será aplicado pela administradora e às garantias que você deverá fornecer para retirar o bem ao ser contemplado;

    Verifique as regras de contemplação por sorteio e lance, a forma de antecipação de pagamento de prestações e a possibilidade de optar por crédito de menor ou maior valor antes da contemplação;

    Certifique-se de que aquilo que foi prometido, em propaganda ou pelo vendedor, consta do contrato. Desconsidere promessas verbais: todos os direitos e obrigações do consorciado devem estar estabelecidos no contrato.

    Veja mais
    Aposentadoria especial 2019

    Como fica aposentadoria especial após reforma 2019? O Senado aprovou nesta quarta-feira (10) um projeto de lei complementar que regulamenta a aposentadoria especial por periculosidade.

    Leia mais >
    Abrir bate-papo
    Fale com um especialista!
    Olá 👋 , tudo bem ?
    Parece que você está precisando de ajuda! Estamos aqui para ajudá-lo a resolver qualquer dúvida ou problema que esteja enfrentando. Clique aqui para falar com um dos nossos especialistas e encontrar a solução que você precisa. Não hesite, estamos prontos para ajudar!