Sumário

Entre em contato com um especialista

    Advogado criminalistamaria da penha

    advogado criminalistamaria da penha

    Qual advogado cuida da Lei Maria da Penha?

    Se você não tem familiaridade com esse tema, segue uma breve introdução para que possamos adentrar ao assunto de hoje, que é falar sobre como advogar em casos de violência doméstica na prática.

    A Lei Maria da Penha foi criada com o objetivo de prevenir e combater a violência doméstica e familiar contra a mulher. Ela foi sancionada em agosto de 2006 e é considerada um marco na luta pelos direitos das mulheres no país. A Lei Maria da Penha recebeu este nome em homenagem a Maria da Penha Fernandes, uma mulher cearense que sofreu violência doméstica por parte do marido durante anos. Ela foi vítima de duas tentativas de assassinato, sendo que na segunda ficou paraplégica. Depois de muita luta, ela conseguiu levar o caso para a Justiça e o agressor foi condenado. Sua história foi fundamental para a criação da lei que leva seu nome.

    É importante ressaltar que a violência contra a mulher não se restringe apenas à violência física, mas também inclui a violência psicológica, sexual, patrimonial e moral. A Lei Maria da Penha representa um avanço muito importante no Direito. A violência contra a mulher é um problema global que afeta mulheres de todas as idades, classes sociais, etnias e orientações sexuais.

    No Brasil, a violência doméstica é um dos principais problemas enfrentados pelas mulheres. Segundo dados do Ministério da Saúde, a cada dois minutos uma mulher é vítima de agressão no país. Em 2019, foram registrados mais de 180 mil casos de violência doméstica contra mulheres, segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

    Nesse sentido, essa é uma grande demanda dos escritórios de Advocacia Criminal que costumam receber muitos casos de violência doméstica para atuar seja pela vítima ou pelo acusado. Mas, para que o advogado criminalista possa atuar com efetividade em casos envolvendo violência doméstica, é fundamental dominar não só a teoria, como as especificidades práticas da Lei Maria da Penha.

    O advogado criminalista é um profissional que desempenha um papel fundamental na defesa dos direitos e interesses de seus clientes em casos de violência doméstica e familiar contra a mulher. É importante que o advogado criminalista esteja ciente da gravidade e complexidade desses casos e esteja preparado para atuar de forma eficaz e responsável para garantir uma defesa justa e equilibrada para seu cliente.

    A primeira etapa do trabalho do advogado criminalista em casos de violência doméstica e familiar contra a mulher é compreender e respeitar a Lei Maria da Penha, que é a legislação que regula esse tipo de crime no Brasil. O advogado deve estar ciente das disposições da lei e dos direitos das vítimas, bem como das medidas de proteção e dos procedimentos legais que devem ser seguidos.

    Uma vez que o advogado tenha conhecimento suficiente sobre a Lei Maria da Penha, é importante que ele se comunique claramente com seu cliente, explicando-lhe os seus direitos e deveres legais e ajudando-o a compreender o processo legal que está por vir.

    Quantos um advogado criminalista cobra?

    Inicialmente, primeiro fator que eu sempre ressalto aos meus alunos é que, saber o quanto se ganha na advocacia criminal é bastante importante,porém, um dos pontos principais para você decidir seguir ou não na advocacia criminal é se perguntar: o que eu realmente gosto de fazer? Qual é a minha paixão em termos profissionais? Qual a minha vocação?Isso porque, a grande maioria de nós passa a maior parte da vida trabalhando.Então, imagina escolher uma carreira em que você não se identifica e que não te dá prazer?Se você optar por este caminho, muito provavelmente irá se frustrar no exercício daquela profissão, mesmo que o retorno financeiro seja alto. Não é verdade?Muitos profissionais que concluem a faculdade de Direito e são aprovados no Exame de Ordem, enfrentam várias dúvidas diante da escolha de qual rumo dar a sua carreira.Claro que um profissional formado em Direito possui um amplo leque de possibilidades.Essa variedade de escolhas que o Direito proporciona pode até gerar uma sensação de que tudo podemos.Mas, ao mesmo tempo, a impressão é que nada possuímos de concreto.Concurso público é uma opção muito desejada, assim como escolher se dedicar à atividade da advocacia, se especializando em alguma área,também é um caminho muito interessante e o sonho de muitos recém-formados.Fato é, que essa é uma decisão de caráter pessoal e tudo vai depender dos seus sonhos e objetivos quando escolheu esta formação.Com toda certeza, esta não é uma fase simples, mas lembre-se que você está diante de um desafio encantador de começar a escrever a sua própria história.Por isso, pense bem antes de tomar esta decisão que será o pontapé inicial da sua carreira profissional.Portanto, é muito importante reforçar a ideia de que a sua escolha da área em que atuar deve se basear, primeiramente, na sua vocação.Se você não gostar do que faz, não haverá sucesso financeiro que dê conta de suprir uma lacuna que é a satisfação e o prazer de trabalhar com uma área em que você é apaixonado!

    Agora, o segundo fator importante que gosto de ressaltar é que, a partir do momento em que você encontra a sua vocação na Advocacia Criminal,é preciso buscar um nicho de atuação dentro dela.E foi por isso que eu respondi no início deste conteúdo que depende.Depende do nicho em que você escolheu atuar.Leia também: Qual nicho escolher para advogarPara quem não me conhece, eu sou Cris Dupret, especialista no nicho da Execução Penal.E posso te dizer que minha vida mudou depois que eu me especializei nesse nicho e comecei a atuar nessa área.Atuo essencialmente prestando consultoria para outros advogados.Bom, o primeiro parâmetro que temos para consultar valores de honorários é a tabela da Ordem dos Advogados do Brasil.Você pode entrar no site da sua seccional e consultar a tabela de honorários que apresenta um parâmetro de valores para cada tipo de serviço.Contudo, embora seja recomendável cobrar, no mínimo, o valor descrito na tabela de honorários da OAB,sinceramente, no início da carreira, o mai

    Quais crimes o advogado criminalista defende?

    ALGUMAS DÚVIDAS SOBRE O ADVOGADO CRIMINALISTA E A ADVOCACIA CRIMINAL

    Quem é o advogado criminalista? Quem pode ser advogado criminalista?

    O advogado criminalista é o bacharel em Direito, regularmente inscrito nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil, que exerce a advocacia criminal, que é uma das áreas de atuação da advocacia.

    O que faz um advogado criminalista?

    O advogado criminalista atua, em regra, na defesa de pessoas que são acusadas da prática de um crime. Também pode atuar na acusação, requerendo a instauração do inquérito policial ou como assistente do Ministério Público na ação penal. Pode atuar ainda na negociação de acordos de colaboração premiada (“delação premiada”) e acordos de não persecução penal (ANPP). Por fim, o advogado criminalista pode dar pareceres e opiniões legais, escritas ou orais, a respeita de temas relacionados com o Direito Penal e Direito Processual Penal.

    Qual é a função do advogado criminalista?

    Diferentemente do que se pensa, a função do advogado criminalista não é garantir impunidade, mas sim fazer com que os direitos e garantias do seu cliente sejam respeitados e que ele obtenha a posição processual mais favorável possível.

    Quem o advogado criminalista defende?

    O advogado criminalista pode defender qualquer pessoa que seja investigada ou acusada de um crime ou que tenha sido vítima de um. Porém, diferente do Defensor Público e do advogado dativo, o advogado criminalista particular é remunerado por seu cliente e, assim, defende as pessoas que o contratam para tanto.

    Qual a diferença entre advogado penal e advogado criminal?

    São sinônimos. O termo mais correto e também mais utilizado é advogado criminalista, porém, é possível também chamar o profissional de advogado penal ou penalista. Outro termo muito utilizado é criminalista. Porém, quando falamos dos estudiosos das Ciências Criminais (Direito Penal, Direito Processual Penal, Criminologia, etc.), e não dos advogados, o termo mais correto é penalista.

    Qual o valor de um advogado criminalista? Quanto um advogado criminalista cobra por uma defesa?

    Na advocacia criminal, em regra, os honorários são contratuais, isto é, previsto num contrato que é celebrado entre o advogado e o cliente. É muito difícil se dizer qual é o valor cobrado por uma defesa criminal. Porém, existem alguns critérios fixados pelo Estatuto da OAB como, por exemplo, o renome do advogado, a complexidade da causa, o fato de o processo tramitar ou não na mesma cidade em que o advogado trabalha, etc. A OAB divulga uma tabela de honorários mínimos que serve como orientação aos advogados.

    Qual a diferença entre Direito Penal e Direito Criminal?

    Não existe diferença entre Direito Penal e Direito Criminal, que são sinônimos. Atualmente, se entende que o termo mais correto é Direito Penal, pois é focado nos estudos dos crimes e das penas, e não apenas dos crimes.

    Quando procurar um advogado criminalista? A pessoa deve procurar um advogado criminalista sempre que tiver dúvida de uma questão jurídico-crim.

    Qual é a média salarial de um advogado criminalista?

    A advocacia é uma área de grande importância social que integra diversos tipos de especializações e profissionais, sendo um deles o advogado criminalista. Saiba mais sobre essa especialização do Direito Penal.

    O advogado criminalista é um profissional formado em Direito e inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), cuja especialização está concentrada na área do Direito Penal. Esse profissional é responsável por defender indivíduos que sofrem acusações de algum tipo de crime, portanto, os clientes de um advogado criminalista podem ser culpados ou inocentes.

    Dessa forma, é papel do advogado criminalista, seja qual for o crime supostamente cometido, buscar uma defesa justa e dentro da lei ao acusado. Além de assumir o papel de advogado de defesa, o advogado criminalista pode, também, assumir o papel de assistente da acusação ou propositor da ação penal.

    O Direito Penal é o ramo do Direito voltado para a administração e solução de conflitos referentes à violação de leis por pessoas físicas ou jurídicas. Essa área do Direito Público é fortemente representada em filmes, novelas e outros tipos de mídia, como em cenas de julgamento e tribunais, com juiz, advogados, jurados e promotores. Assim, essa é uma das áreas mais “famosas” no imaginário popular da advocacia.

    O princípio da criação de leis soberanas ao Estado foi a responsável por colocar limites aos modelos totalitários de governos na época das monarquias, iniciando-se com as revoluções liberais do século XVIII, que modificaram a forma como as nações tratavam os crimes e os tipos de penalidades. Dessa forma, originou-se o que hoje é chamado de “Estado de Direito”.

    No entanto, no início não se fazia a diferenciação entre Direito e a Lei, mas com o surgimento das Constituições o conceito de justiça se colocou em contradição frente às leis. Dessa maneira, deu-se o Estado de Direito Constitucional.

    Já no ano de 1948, após a Segunda Guerra Mundial e com o desenvolvimento do Tratado Internacional de Direitos Humanos, foram implementadas novas mudanças no Direito Penal. Assim, a maioria das nações passou a considerar não somente o Código Penal e a Constituição, mas também os direitos apresentados no Tratado.

    Portanto, fica claro como ocorreram diversas mudanças no Direito Penal ao longo da história, sendo, assim, é essencial que o advogado criminalista possua conhecimento sobre os mais diversos aspectos que envolvem um processo criminal e os sujeitos nele envolvidos.

    O advogado criminalista não trabalha apenas no escritório ou no tribunal. O dia a dia desse profissional é constituído, principalmente, por coletas e análises de provas e contraprovas, e elaboração de argumentos a favor de seu cliente. Algumas das tarefas e responsabilidades designadas ao advogado criminalista são:

    • Defesa de indivíduos acusados de crimes
    • Análise de provas e contraprovas
    • Elaboração de argumentos em favor do cliente
    • Atuação como assistente da acusação
    • Atuação como propositor da ação penal

    De acordo com a plataforma vagas.com, no início da sua carreira, o advogado criminalista pode ganhar, em estimativa, o valor de R$ 2.636,00, e, posteriormente, pode vir a ganhar até R$ 5.934,00. Assim, a média salarial para a ocupação.

    Precisa de advogado na Lei Maria da Penha?

    Portanto, é imprescindível que sejam acompanhadas por advogada as vítimas de crimes no contexto da lei Maria da Penha, nos crimes sexuais, e nos demais crimes que envolvam relações assimétricas. Conte sempre conosco!

    Qual o nome do advogado que defende a vítima?

    Em segundo lugar, o Advogado Criminalista pode sim defender a vítima de um crime, mesmo tendo como titular da ação penal, responsável pela acusação, o Ministério Público, representado pelo Promotor de Justiça, por este motivo o Advogado atua como Assistente de Acusação.

    Qual é a pena para violência doméstica?

    Pena será aumentada de 1/3 até a metade também se a lesão for cometida na presença de filhos, pais e mães

    06/12/2023 – 19:40

    A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (6) projeto de lei que aumenta a pena por lesão corporal cometida no âmbito de violência doméstica. A matéria será enviada ao Senado.

    O Projeto de Lei 9905/18 estabelece que a pena será aumentada de 1/3 até a metade também se a lesão for cometida por razões da condição do sexo feminino ou for praticada na presença física ou virtual de descendente ou de ascendente da vítima (filhos ou pais e mães, por exemplo).

    O texto aprovado é um substitutivo pela Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família.

    Para Helder Salomão, o projeto procura coibir os traumas que crianças e adolescentes sofrem ao presenciar agressões de suas mães no ambiente doméstico. “Não podemos continuar permitindo que essa violência aconteça. A proteção à infância é fundamental em qualquer país”, disse.

    Segundo o Código Penal, a lesão praticada em razão da condição do sexo feminino tem pena prevista de reclusão de 1 a 4 anos. Esse termo é definido como contexto de violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

    Quando cometida contra ascendente, descendente ou cônjuge, a pena é aumentada em 1/3 se a lesão for de natureza grave ou dela resultar morte.

    “Debater esse tema se faz necessário para quebrar o círculo da violência. Não se pode naturalizar a violência”, afirmou a relatora.

    A deputada explicou que o Congresso já aprovou pena mais grave para feminicídio cometido diante desses familiares, o que justifica a ampliação do agravante para outros atos de violência. Ela lembrou ainda que a violência na presença de filhos e pais demonstra que o agressor não se importa com o sofrimento da família. “Essa conduta gera um trauma tão intenso na pessoa que presenciou a violência, podendo perdurar por toda a sua vida”, destacou.

    A deputada alertou para a possibilidade de as pessoas que crescem em ambientes violentos repetirem essas condutas. “A violência dentro de casa ganha pernas, vai para as dobras do País, para os becos das cidades, e se transforma num processo de naturalização”, ressaltou.

    O deputado afirmou que a luta contra a violência doméstica une campos ideológicos divergentes. “A pena por violência contra as mulheres na frente dos filhos tem de ser agravada, sim. Tem de se penalizar de forma mais radical. Deveria ser penalizada radicalmente qualquer pessoa que agredisse uma mulher”, defendeu.

    Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira

    Edição – Francisco Brandão

    De quem é a competência para julgar e processar a violência doméstica e familiar?

    Tema atualizado em 15/7/2022.

    A competência exclusiva para processar, julgar e executar as causas decorrentes da prática de violência no âmbito das relações domésticas e familiares contra a mulher, em que esteja devidamente configurada a violência de gênero de que trata a Lei 11.340/2006, é do Juizado Especializado de Violência Doméstica. Trata-se de competência absoluta, pois estabelecida em razão da matéria e fixada à luz do interesse público.

    Firma-se a competência do juizado de violência doméstica e familiar contra a mulher para processar e julgar causa na qual constatada que as ameaças e insultos foram verbalizados pelo ofensor com vista à subjugação das vítimas, pertencentes ao gênero feminino, no âmbito da unidade doméstica e da família, conforme previsto pelo art. 5º, incisos I e II, da Lei 11.340/2006.

    Nos ilícitos penais cometidos em contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher, confere-se à palavra das vítimas especial credibilidade, sobretudo quando se mostrar segura, coerente, rica em detalhes e confirmada pelos demais elementos probatórios dos autos.

    Não é viável a pretendida absolvição do réu por insuficiência de provas da existência do delito, visto que o acervo probatório é seguro ao apontar a materialidade e a autoria dos crimes de ameaça. (…)

    Acórdão 1182773 Relator Des J.J. COSTA CARVALHO, 1ª Turma Criminal, data de julgamento: 27/06/2019, Publicado no DJe: 03/07/2019.

    Acórdão 1415691, 07408115720218070000, Relator: Des. ROBSON BARBOSA DE AZEVEDO, Câmara Criminal, data de julgamento: 19/4/2022, publicado no PJe: 29/4/2022;

    Acórdão 1355060, 07156305420218070000, Relator: Des. J.J. COSTA CARVALHO, Câmara Criminal, data de julgamento: 14/7/2021, publicado no PJe: 28/7/2021;

    Acórdão 1266098, 07133461020208070000, Relator: Des. ROBERVAL CASEMIRO BELINATI, Câmara Criminal, data de julgamento: 16/7/2020, publicado no PJe: 31/7/2020;

    Acórdão 1172118, Relator: Des. CARLOS PIRES SOARES NETO, 1ª Turma Criminal, data de julgamento: 02/05/2019, publicado no DJE: 22/05/2019;

    Acórdão 1115975, Relator: Des. ROBERVAL CASEMIRO BELINATI, 2ª Turma Criminal, data de Julgamento: 19/07/2018, publicado no DJe: 14/08/2018;

    Acórdão 1048750, Relator Des. GEORGE LOPES, Câmara Criminal, data de julgamento: 18/9/2017, publicado no DJe: 26/9/2017.

    Competência híbrida e melhor interesse da criança

    “O art. 14 da Lei n. 11.340/2006 preconiza a competência cumulativa (criminal e civil) da Vara Especializada da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher para o julgamento e execução das causas advindas do constrangimento físico ou moral suportado pela mulher no âmbito doméstico e familiar. A amplitude da competência conferida pela Lei n. 11.340/2006 à Vara Especializada tem por propósito justamente permitir ao mesmo magistrado o conhecimento da situação de violência doméstica e familiar contra a mulher, permitindo-lhe bem sopesar as repercussões jurídicas nas diversas ações civis e criminais advindas direta e indiretamente desse fa”.

    Veja mais
    Aposentadoria especial 2019

    Como fica aposentadoria especial após reforma 2019? O Senado aprovou nesta quarta-feira (10) um projeto de lei complementar que regulamenta a aposentadoria especial por periculosidade.

    Leia mais >
    Abrir bate-papo
    Fale com um especialista!
    Olá 👋 , tudo bem ?
    Parece que você está precisando de ajuda! Estamos aqui para ajudá-lo a resolver qualquer dúvida ou problema que esteja enfrentando. Clique aqui para falar com um dos nossos especialistas e encontrar a solução que você precisa. Não hesite, estamos prontos para ajudar!