Sumário

Entre em contato com um especialista

    Advogado criminalistaestelionato

    advogado criminalistaestelionato

    O que é crime de estelionato majorado?

    171 , § 3º , do CP ) obter, para si, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento, em detrimento de entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência social ou beneficência. 2.

    Qual o nome do advogado que defende a vítima?

    Da mesma forma, não é papel do advogado criminalista defender o “bandido” ou a vítima de um crime, mas sim assegurar que as leis sejam cumpridas e que os direitos de seus clientes sejam garantidos.

    Algumas das áreas mais procuradas são:

    • Márcio Thomaz Bastos (Direito Penal) Foi Ministro da Justiça e um dos maiores advogados criminalistas da nação. Durante a sua carreira representou clientes de peso em casos de grande repercussão nacional como: Edir Macedo, o médico Roger Abdelmassih e Carlinhos Cachoeira.

    3 características fundamentais de um bom advogado criminalista

    Por que estelionato não dá cadeia?

    O escritório CLÁUDIA SEIXAS SOCIEDADE DE ADVOGADOS, pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob o nº 12.250.372/0001-55 (“Cláudia Seixas Advogados”, “Nós” ou “Escritório”), presta serviços de advocacia aos seus clientes (“Serviços”) e disponibiliza ao público em geral este website e demais páginas relacionadas (“Website”) para apresentar conteúdos jurídicos, permitir a inscrição em newsletter, bem como divulgar eventos e materiais do Escritório.

    Nós temos a preocupação de respeitar e resguardar a sua privacidade. Assim, com comprometimento e transparência, apresentamos a presente Política Externa de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais (“Política”) visando descrever, de forma clara e acessível, como os dados pessoais poderão ser coletados, usados, compartilhados e armazenados pelo Escritório, em observância à legislação aplicável no Brasil, em especial, à Lei nº 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados – “LGPD”).

    Por favor, leia atentamente esta Política de Privacidade, pois, ao acessar e/ou utilizar nossos Serviços e Website, você declara estar plenamente ciente dos termos aqui dispostos e consente de forma livre e expressa com o tratamento de seus dados pessoais para as finalidades específicas e segundo as condições a seguir especificadas.

    Para fins desta Política, entende-se por:

    • Esta Política se aplica aos tratamentos de Dados Pessoais realizados pela Cláudia Seixas Sociedade de Advogados para prestar seus Serviços e disponibilizar o Website.
    • Durante a utilização do nosso Website e na prestação de nossos Serviços, coletamos Dados Pessoais de duas formas: (a) mediante fornecimento pelo próprio titular através de formulários online ou por meio físico em primeiro atendimento; e (b) automaticamente, por meio de cookies e tecnologias similares.

    O Tratamento de seus Dados Pessoais pode ser realizado pela Cláudia Seixas Advogados mediante o seu consentimento, quando aplicável, em diversos meios, por obrigação legal, regulatória, contratual ou outras formas.

    O Tratamento de seus Dados Pessoais tem por finalidade viabilizar e/ou melhorar a prestação dos Serviços para os quais a Cláudia Seixas Advogados foi contratada. Prezando pela transparência, listamos abaixo, de forma segmentada de acordo com diferentes contextos de tratamento, as finalidades para as quais a Cláudia Seixas Advogados trata Dados Pessoais:

    Para a prestação dos Serviços, ocorre o Tratamento de Dados Pessoais conforme a necessidade e em consonância com os princípios éticos da advocacia e do sigilo profissional da relação entre cliente e advogado.

    Os Dados Pessoais coletados e utilizados na prestação dos Serviços são fornecidos diretamente por nossos clientes. Assim, são claras as finalidades de utilização de Dados Pessoais para a prestação dos Serviços, que podem incluir:

    • Além disso, processaremos informações de identifica

    Quantos anos de cadeia por estelionato?

    A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou nesta quarta-feira (23) um projeto de lei que aumenta a pena para estelionato e prevê novas formas do crime. Já aprovado pela Câmara dos Deputados, o PL 2.254/2022 agora deverá ser analisado pelo Plenário do Senado.

    O projeto, que recebeu voto favorável do senador Plínio Valério (PSDB-AM), também inclui no Código Penal variações desse tipo penal, como o estelionato sentimental, que ocorre quando a vítima é enganada com promessas de relações afetivas e levada a entregar bens a outra pessoa. Incorre em delito da mesma gravidade quem permitir que sua conta bancária seja usada para a aplicação de golpes contra terceiros. Para fazer essas alterações, o texto modifica o Código Penal (Decreto-Lei 2.848, de 1940).

    A pena do crime de estelionato e seus novos formatos passa, de acordo com o texto, a ser de dois a seis anos de reclusão e multa. Atualmente a reclusão é de um a cinco anos, além da multa. Se houver uso de redes sociais, contatos telefônicos ou outros meios fraudulentos semelhantes, a pena será de quatro a oito anos de reclusão e multa.

    Os parlamentares divergiram com relação à eficácia do aumento da pena no combate à criminalidade. Os senadores Fabiano Contarato (PT-ES) e Rogério Carvalho (PT-SE) se posicionaram contra a medida.

    Para os senadores Eduardo Girão (Novo-CE), Jorge Seif (PL-SC) e Marcos Rogério (PL-RO), a rigidez da pena deve dissuadir a ação de infratores. Marcos Rogério ressalta, no entanto, que a mudança deve ser acompanhada de um sistema apropriado.

    Outro aumento de pena será para o crime de extorsão praticado mediante restrição de liberdade da vítima com o intuito de obter vantagem econômica. De acordo com o projeto, a pena nesse caso será de 8 a 14 anos de reclusão. O projeto também considera nesse delito casos em que há realização forçada de transação bancária por meio de dispositivo eletrônico.

    No seu relatório, Plínio retirou a inclusão de estelionato contra idosos no rol de crimes hediondos (Lei 8.072, de 1990).

    O relator alterou o projeto para manter o aumento da pena em de um terço ao dobro, em caso de vítimas idosas ou vulneráveis, como consta hoje na lei. Na proposta da Câmara dos Deputados, a pena seria triplicada. O relator também acatou, durante a reunião, emenda de redação sugerida pelos senadores Contarato e Alessandro Vieira (MDB-SE), para esclarecer que vulneráveis são os menores de 14 anos ou “aqueles que, por enfermidade ou deficiência mental, não têm o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não podem oferecer resist”

    Quando uma pessoa pode responder em liberdade?

    A liberdade provisória é um direito fundamental de todo cidadão que se encontra em situação de prisão em flagrante ou preventiva. Ela permite que o acusado aguarde em liberdade o desenrolar do processo, desde que não haja motivos que justifiquem a sua manutenção na prisão.

    Mas como funciona a liberdade provisória no direito penal? Quais são os tipos e os requisitos para obtê-la? Como um advogado especialista pode ajudar nesse processo? Essas são algumas das questões que abordaremos neste artigo, com o objetivo de esclarecer esse importante instituto jurídico.

    A liberdade provisória é uma medida cautelar que visa assegurar a liberdade do indivíduo durante a tramitação de um processo criminal, sem prejuízo da aplicação da lei penal. Ela está prevista na Constituição Federal, no artigo 5º, inciso LXVI, que dispõe:

    “Ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança.”

    A liberdade provisória é baseada no princípio da presunção de inocência, que estabelece que ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Assim, o acusado tem o direito de responder ao processo em liberdade, salvo se houver elementos que demonstrem a necessidade da prisão.

    A liberdade provisória pode ser concedida pelo juiz, de ofício ou a pedido do acusado ou do seu advogado, ou pela autoridade policial, no caso de prisão em flagrante. Ela pode ser concedida em qualquer fase do processo, desde que não haja sentença condenatória com trânsito em julgado.

    Existem dois tipos principais de liberdade provisória: com fiança e sem fiança. Cada um deles tem suas características e requisitos específicos, conforme veremos a seguir.

    Com fiança

    A fiança é uma garantia pecuniária que visa assegurar o comparecimento do acusado aos atos do processo e a execução da pena, caso seja condenado. Ela está prevista no Código de Processo Penal, nos artigos 322 a 350.

    A fiança pode ser arbitrada pela autoridade policial ou pelo juiz, dependendo do caso. Ela pode variar de um a mil salários mínimos, conforme o critério da autoridade competente.

    A fiança pode ser paga em dinheiro, em cheque ou em bens móveis ou imóveis. O pagamento da fiança implica na concessão da liberdade provisória ao acusado, salvo se houver outro motivo para a prisão.

    A fiança pode ser dispensada ou reduzida pelo juiz, se o acusado for pobre ou se o crime for de menor potencial ofensivo. A fiança também pode ser aumentada ou cassada pelo juiz, se houver descumprimento das condições impostas ou se surgirem novos motivos para a prisão.

    Sem fiança

    A liberdade provisória sem fiança é aquela concedida sem exigência de pagamento monetário. Ela está prevista no Código de Processo Penal, nos artigos 310 a 316.

    A liberdade provisória sem fiança pode ser concedida pelo juiz quando não houver necessidade de prisão preventiva ou quando esta for ilegal. Nesses casos, o juiz pode impor ao acusado outras medidas cautelares diversas da prisão, como:

    • Comparecimento periódico em juízo;
    • Proibição de se ausentar da comarca;
    • Proibição de manter contato com determinadas pessoas;
    • Proibição de frequentar determinados lugares;
    • Monitoramento eletrônico, entre outras.

    Quais crimes respondem em liberdade?

    De acordo com o Código Penal Brasileiro, as pessoas que cometem crimes que não sejam considerados graves, como lesão corporal leve, ofensa à honra, ofensa ao sentimento religioso, dentre outros, têm grande possibilidade de responder em liberdade.

    Por que estelionato não dá cadeia?

    O escritório CLÁUDIA SEIXAS SOCIEDADE DE ADVOGADOS, pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob o nº 12.250.372/0001-55 (“Cláudia Seixas Advogados”, “Nós” ou “Escritório”), presta serviços de advocacia aos seus clientes (“Serviços”) e disponibiliza ao público em geral este website e demais páginas relacionadas (“Website”) para apresentar conteúdos jurídicos, permitir a inscrição em newsletter, bem como divulgar eventos e materiais do Escritório.

    Nós temos a preocupação de respeitar e resguardar a sua privacidade. Assim, com comprometimento e transparência, apresentamos a presente Política Externa de Privacidade e Proteção de Dados Pessoais (“Política”) visando descrever, de forma clara e acessível, como os dados pessoais poderão ser coletados, usados, compartilhados e armazenados pelo Escritório, em observância à legislação aplicável no Brasil, em especial, à Lei nº 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados – “LGPD”).

    Por favor, leia atentamente esta Política de Privacidade, pois, ao acessar e/ou utilizar nossos Serviços e Website, você declara estar plenamente ciente dos termos aqui dispostos e consente de forma livre e expressa com o tratamento de seus dados pessoais para as finalidades específicas e segundo as condições a seguir especificadas. Para fins desta Política, entende-se por:

    Esta Política se aplica aos tratamentos de Dados Pessoais realizados pela Cláudia Seixas Sociedade de Advogados para prestar seus Serviços e disponibilizar o Website.

    Durante a utilização do nosso Website e na prestação de nossos Serviços, coletamos Dados Pessoais de duas formas: (a) mediante fornecimento pelo próprio titular através de formulários online ou por meio físico em primeiro atendimento; e (b) automaticamente, por meio de cookies e tecnologias similares.

    O Tratamento de seus Dados Pessoais pode ser realizado pela Cláudia Seixas Advogados mediante o seu consentimento, quando aplicável, em diversos meios, por obrigação legal, regulatória, contratual ou outras formas. O Escritório pode solicitar que você forneça o consentimento por escrito ou por qualquer outro meio que confirme tal consentimento, sempre que necessário.

    O Tratamento de seus Dados Pessoais tem por finalidade viabilizar e/ou melhorar a prestação dos Serviços para os quais a Cláudia Seixas Advogados foi contratada. Prezando pela transparência, listamos abaixo, de forma segmentada de acordo com diferentes contextos de tratatamento, as finalidades para as quais a Cláudia Seixas Advogados trata Dados Pessoais:

    • Para a prestação dos Serviços, ocorre o Tratamento de Dados Pessoais conforme a necessidade e em consonância com os princípios éticos da advocacia e do sigilo profissional da relação entre cliente e advogado.

    Os Dados Pessoais coletados e utilizados na prestação dos Serviços são fornecidos diretamente por nossos clientes. Assim, são claras as finalidades de utilização de Dados Pessoais para a prestação dos Serviços, que podem incluir:

    Além disso, processaremos informações de identificação, etc.

    Tem fiança para o crime de estelionato?

    O estelionato é um crime contra o patrimônio, previsto no artigo 171 do Código Penal Brasileiro. Ele ocorre quando uma pessoa, através de fraude ou artifício, engana outra com o objetivo de obter vantagem ilícita para si ou para terceiro, causando prejuízo alheio. Exemplos comuns incluem a venda de imóveis ou veículos que não pertencem ao vendedor, a emissão de cheques sem fundos ou a aplicação de golpes pela internet. A pena prevista para o estelionato varia de um a cinco anos de reclusão, além de multa, podendo ser aumentada em um terço em casos específicos, como se a vítima é idosa ou vulnerável.

    O estelionato é definido no artigo 171 do Código Penal Brasileiro. Segundo a lei, estelionato ocorre quando alguém obtém, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento. As penas para estelionato variam de 1 a 5 anos de reclusão, além de multa. A lei ainda prevê circunstâncias que podem aumentar a pena, como no caso de a vítima ser idosa ou vulnerável, ou se o crime for cometido contra entidade de direito público, instituto de economia popular, assistência social ou beneficência.

    O estelionato é um crime econômico complexo que abrange diversos atos ilícitos. Enquadram-se como estelionato ações como venda de coisas alheias como próprias, emissão de cheques sem fundos, fraude em contratos ou concorrências, obtenção de seguros ou benefícios sociais mediante fraude e o popular golpe do “bilhete premiado”. Também se enquadra a falsificação de documentos para obter empréstimos bancários ou crédito. Recentemente, o advento da tecnologia gerou novas modalidades de estelionato, como fraudes por meio de e-mails falsos e golpes aplicados por meio de sites de compras e redes sociais. A versatilidade do estelionato exige atenção e precaução.

    O estelionato, descrito no artigo 171 do Código Penal Brasileiro, é um crime que pode resultar em reclusão de um a cinco anos, além de multa. A pena é aumentada em um terço se o crime é cometido contra idosos, pessoas vulneráveis ou em detrimento do patrimônio público. Vale ressaltar que a aplicação da pena varia conforme as circunstâncias e agravantes do caso, o histórico do réu, o valor fraudado e outros aspectos. Quando o valor do prejuízo é baixo, o juiz pode substituir a pena de reclusão por reclusão domiciliar.

    Veja mais
    Aposentadoria especial 2019

    Como fica aposentadoria especial após reforma 2019? O Senado aprovou nesta quarta-feira (10) um projeto de lei complementar que regulamenta a aposentadoria especial por periculosidade.

    Leia mais >
    Abrir bate-papo
    Fale com um especialista!
    Olá 👋 , tudo bem ?
    Parece que você está precisando de ajuda! Estamos aqui para ajudá-lo a resolver qualquer dúvida ou problema que esteja enfrentando. Clique aqui para falar com um dos nossos especialistas e encontrar a solução que você precisa. Não hesite, estamos prontos para ajudar!